Amnésia,
de Christopher Nolan

Memento, EUA, 2000


Amnésia consegue uma combinação hoje rara para um filme frutífero do circuito dito "independente" nos EUA combinar uma forma diferenciada de se contar uma narrativa à uma proposta com coerência interna e questões que vão além de seu formato. Ao contar a história de Leonard, o filme não se atém a seu problema de perda de memória instantânea como fonte de um espetáculo formal, mas como espaço de questionamento de diversos parâmetros da objetividade cotidiana. O fato de a história ser contada de trás para frente não se resume apenas a uma brincadeira narrativa, apenas mais uma atração do filme, mas está intrisicamente articulada com as questões que o filme aborda. Diferente de uma produção formalmente elogiada como o xexelento videoclip Moulin Rouge, Amnésia tem como ponto central justamente as questões que apresenta sua narrativa em flashback não funciona como uma maquiagem colorida para a repetição do óbvio cinematográfico. No filme, a forma é o resultado claro de um processo de pensamento e questionamento não apenas a forma aparente do espetáculo...

As incertezas do personagem perdido em sua própria tentativa de reinvenção de um passado esquecido, torna-se um espaço intrigante em que o espectador vive a realidade incompleta do personagem e, apesar de desconfiar de todos e de aos poucos juntar as peças de um quebra-cabeças ao inverso, está sempre incerto sobre o que Leonard sabe ou deixa de saber... A ausência de memória é a possibilidade de uma reinvenção do tempo e do espaço e uma metáfora sobre a condição de distorção dos acontecimentos na memória-realidade dos personagens e do espectador.

A própria forma do filme, que pede que o espectador lembre-se das sequências imediatamente anteriores dialoga com a condição de Leonard. Fica tão mais clara sua condição, quanto mais nos lembramos de todos os seus atos posteriores uma lembrança do futuro. Uma invenção do passado. A descoberta do futuro como o antes imaginado. O filme não termina, se inicia, e se projeta novamente para antes de seu fim...

Apesar de todos esses fatores, ou indo contra eles, o filme de Nolan peca inúmeras vezes por seu excesso de explicações e tentativa de mastigação da narrativa ao espectador. Por vezes, é mais interessante distrair-se de alguns diálogos durante o filme e tentar menos ser relembrado a cada instante dos fatos passados. O diálogo final dos dois personagens, quando a distorção é revelada, é muito direto, muito exato em seu desmascaramento. O policial explica demais e sua fala tem um estatuto de realidade que decepciona as incertezas do resto do filme. Talvez menos preocupado em explicar e mais em insinuar as distorções da memória, o filme teria conseguido manter sua coerência forma-conteúdo mais precisamente. Um escorregão em nome do entendimento fácil que mesmo assim não tira o brillho de seu desfecho-início cativante. As anotações do corpo e das fotos dos personagens como as certezas intocáveis que guardamos e que aos poucos transformam a própria realidade em um novo conjunto de verdades... Os fatos (anotações) adorados por Leonard são justamente aqueles que por fim, foram capazes de enganar seus olhos...

Felipe Bragança